13-11-2018 | 04:43

SIGA NOS


NOSSA HISTÓRIA

Você está em - Home - institucional - NOSSA HISTÓRIA

NOSSA HISTÓRIA

SINDELP

 

O Sindicato dos Delegados de Policia do Pará, surgiu da percepção que um grupo de Delegados da Policia Civil, que sentiram a necessidade de sua criação, como entidade representativa da categoria profissional, uma vez que, estatutariamente, a Associação dos Delegados então existente, não atendia esse quesito.

Após sucessivos encontros sob a liderança do Dr. Justiniano Alves Junior, no dia doze de setembro do ano de 1994, às 20:00 horas na Avenida Visconde de Inhaúma, Vila Operária casa 36, bairro da Pedreira foi fundado o SINDELP, naquela oportunidade foram eleitos e tomaram posse os primeiros dirigentes do Sindicato, na Diretoria: Presidente - Dr. Justiniano Alves Junior, Secretário Geral – Hélcio Julio Costa Dantas, Tesoureiro – Dr. Raimundo Benassuly Maués Junior, e os suplentes Dr. Aridison Rodrigo Vidal de Oliveira, Dra. Elcione Silva dos Santos e Dra. Carmem Silvia Cardoso Silva, e para o Conselho Fiscal foram eleitos: Dra. Luzia Dias de Alcântara, Carlos Eduardo Fortes Moreno (já falecido) e Dr. Dilermano Gomes Tavares, como suplentes do Conselho fiscal foram eleitos ainda: Dr. Luiz Paschoal de Alcântara Neto, Dr. Neivaldo Costa da Silva e Dr. Acenido Botelho Pontes, essa foi, portanto a primeira diretoria do Sindicato.

Aos seis dias do ano de 1999, na sede localizada na Travessa São Pedro, 566 sala 301, bairro de Batista Campos, tomou posse a nova Diretoria do Cindiu, tendo o Dr. Justiniano Alves Junior sido reeleito para mandato de mais quatro anos, e a nova administração foi assim composta: Presidente – Dr. Justiniano Alves Junior, Secretário Geral – Dr. Aridison Rodrigo Vidal de Oliveira e Tesoureiro- Dr. Raimundo Benassuly Maués Junior, suplentes Dr. Célio de Assis Picanço, Dr. Aurélio Walcyr Rodrigues de Paiva e Dra. Maria Joaquina Pereira, o Conselho Fiscal foi composto dessa forma: Dr. Luiz Carlos de Carvalho, Dr. Rubens de Nazaré Matias e Dr. João Nazareno Nascimento Moraes, como Suplentes: Dr. Marcos Antonio de Queiroz Lemos, Dr. Jamil Farias Casseb e Dr. Iranildo Cunha França.

Aos Três dias do mês de janeiro de 2003, na Ordem dos Advogados do Brasil, tomou posse a terceira diretoria do Sindelp, assim formada: presidente: Dr. Eder Mauro Cardoso Barra, Secretario Geral – Dr. Roberto Nazareno Chada Ramos, Tesoure ira – Dra. Luzenilda Barroso Naves, suplentes: Dr. Vicente de Paulo Conceição Costa, Dr. José Carlos Sampaio Reis e Dr. Alberto Cezar Beltrão Pamplona, o Conselho Fiscal foi assim composto: Dr. Luiz Fernandes Rocha, Dr. Nilton Jorge Barreto Ataíde e Dr. Dilermano Gomes Tavares, e como suplentes foram eleitos Dra. Liane Maria lima Martins Aguilar, Dr. Mauricio Lisboa Cohen e Dr. Fernando Flavio Lopes Silva.

Aos dois dias do ano de 2007, na Avenida Duque de Caxias nº 750 sala 208, bairro do Marco, tomou posse à quarta diretoria eleita do Sindelp, assim formada: Presidente – Dr. Raimundo Benassuly Maués Junior, Secretario Geral – Dr. Adonai Matias Mota, Tesoureiro – Dr. Justiniano Alves Junior, suplentes Dr. Nilton Jorge Barreto Atayde, Dra. Deuza Nazaré Seabra Gonçalves e Dr. Aurélio Walcyr Rodrigues de Paiva, o Conselho Fiscal foram eleitos: Dr. Eder Mauro Cardoso Barra, Dr. Cláudio Galeno de Miranda Soares Filho e Dr. Hélcio Julio Costa Dantas, como suplentes: Dr. Paulo Estevão Tamer, Dra. Marinete Brabo Rodrigues Fontenelle e Dr. José Eduardo Rollo da Silva. Com a nomeação dos Drs. Raimundo Benassuly Maués Junior e Justiniano Alves Junior, para os cargos de Delegado Geral e Delegado Geral adjunto, assumiu a Presidência o substituto legal Dr. Adonai Matias Mota e a Secretaria Geral foi assumida pelo primeiro suplente eleito Dr. Nilton Jorge Barreto Atayde.

O mandato da diretoria é de quatro anos, dessa forma a nova eleição deverá ser realizada no ano de 2010, e respectiva posse dará-se-á no mês de janeiro do ano seguinte.

ADEPOL

A Associação dos Delegados de Polícia do Pará, que usa a sigla ADEPOL/PA, é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com sede em Belém-PA, constituída sem limite de prazo destinado à defesa, à assistência e ao lazer da classe de delegados de polícia de carreira profissional.

OBJETIVOS:

A ADEPOL-PA tem como objetivos: congregar os delegados de polícia de carreira do Estado; defender os associados, zelando pelo nome da classe; prestar assistência jurídica aos associados, quando formalmente solicitada e em razão do exercício profissional; promover e estimular o desenvolvimento técnico e profissional dos associados e cultuar as tradições da polícia do Estado.

INÍCIO

A Associação dos Delegados de Polícia do Pará surgiu no início da década de 80, em 1982, em Belém, atendendo a anseios de delegados que buscavam por melhorias e organização das lutas da categoria. No início, a sigla utilizada pela associação era ADDEPA, mas a partir de 1984, quando a associação foi oficializada a sigla utilizada passou a ser ADEPOL/PA, tornando-se, então, a principal representante dos delegados no Estado. O primeiro presidente da associação foi o delegado Francisco Sales de Carvalho, que esteve à frente da instituição entre os anos de 1982 e 1985. De 1982 até 2015 foram eleitos 12 presidentes. [ Veja a nossa Galeria de Presidentes ] Em 23 de setembro de 2005, após mais de 20 anos de luta, a Adepol-PA presidida pela delegada Maria do Perpétuo Socorro Picanço, conquistou sua sede oficial, adquirida com recursos próprios. O imóvel localizado no centro de Belém é amplo e oferece todo o conforto necessário aos funcionários e associados. No dia 03 de dezembro de 2015, na gestão do delegado Ivanildo Pereira dos Santos, foi realizado um coquetel na sede da ADEPOL-PA para a inauguração da galeria de ex-presidentes da associação. Após a cerimônia, ex-presidentes da entidade, associados e convidados conheceram a nova estrutura da sede que passou por reforma e adequação durante cerca de 10 meses, com o objetivo de levar maior conforto e comodidade aos associados. Atualmente, a Adepol-Pa tem mais de 700 associados e vem se destacando na defesa de suas prerrogativas, direitos e interesses, pugnando pela preservação da Polícia Civil, como instituição permanente, destinada ao exercício, com exclusividade, das funções de polícia judiciária.